×
Utilize aspas para busca exata.

Política de Cookies

Lorem ipsum dolor sit amet, consetetur sadipscing elitr, sed diam nonumy eirmod tempor invidunt ut labore et dolore magna aliquyam erat, sed diam voluptua. At vero eos et accusam et justo duo dolores et ea rebum. Stet clita kasd gubergren, no sea takimata sanctus est Lorem ipsum dolor sit amet. Lorem ipsum dolor sit amet, consetetur sadipscing elitr, sed diam nonumy eirmod tempor invidunt ut labore et dolore magna aliquyam erat, sed diam voluptua. At vero eos et accusam et justo duo dolores et ea rebum. Stet clita kasd gubergren, no sea takimata sanctus est Lorem ipsum dolor sit amet.

Lorem ipsum dolor sit amet, consetetur sadipscing elitr, sed diam nonumy eirmod tempor invidunt ut labore et dolore magna aliquyam erat, sed diam voluptua. At vero eos et accusam et justo duo dolores et ea rebum. Stet clita kasd gubergren, no sea takimata sanctus est Lorem ipsum dolor sit amet.

fechar

Política de Privacidade

fechar

Política de Uso de Dados

fechar

Notícias

Abrir Filtros

ACIB conhece modelo de previsão de cheias do rio Itajaí por meio de redes neurais

ACIB conhece modelo de previsão de cheias do rio Itajaí por meio de redes neurais

A Associação Empresarial de Blumenau (ACIB) promoveu uma conversa nesta segunda-feira (28/03) entre diretoria, Defesa Civil, o acadêmico do curso de Especialização em Data Science da Universidade Regional de Blumenau (FURB) Jonathan de Souza e o orientador professor Aurélio Faustino Hoppe.

O estudante criou um modelo de previsão do rio Itajaí-Açu em situações de enchente utilizando redes neurais. Esta é uma abordagem computacional para resolver o problema das cheias. Foram analisados dados de 2008 a 2017 de toda a bacia hidrográfica do rio. A medição leva em conta a quantidade de chuva nas cabeceiras e pode fazer a previsão para períodos de até 9 horas. “O modelo está preparado para coletar dados quando o rio ultrapassa 4 metros e se alimenta dos dados histórico das estações fluviométricas e pluviométricas do CEOPS”, afirma.

Os técnicos da Defesa Civil de Blumenau explicaram que o projeto é considerado de vanguarda, pois os modelos de redes neurais atuais conseguem ver dados com qualidade e previsibilidade de até 6 horas. “A Defesa Civil está absorvendo a administração do CEOPS (que antes era da FURB) e está aguardando a instalação de 33 estações hidrológicas por parte do Governo do Estado ao longo do rio Itajaí-Açu. Após esse momento vamos avaliar se esses equipamentos serão suficientes e ver se podemos trabalhar com o modelo”, explica o secretário Carlos Olímpio Menestrina.

De acordo com os profissionais, as redes neurais são uma forma mais fácil de se trabalhar e já são usadas em pesquisas avançadas relacionadas às previsões meteorológicas. A coleta de dados tradicional das estações é feita por meio de mensageiros.

Como o projeto desenvolvido requer investimento em bolsa de pesquisa para ser continuado, a diretoria propôs formas de rentabilizá-lo por meio de investidores anjos. A ACIB se colocou à disposição para novas discussões referentes ao tema.

Compartilhe: