×
Utilize aspas para busca exata.

Política de Cookies

Lorem ipsum dolor sit amet, consetetur sadipscing elitr, sed diam nonumy eirmod tempor invidunt ut labore et dolore magna aliquyam erat, sed diam voluptua. At vero eos et accusam et justo duo dolores et ea rebum. Stet clita kasd gubergren, no sea takimata sanctus est Lorem ipsum dolor sit amet. Lorem ipsum dolor sit amet, consetetur sadipscing elitr, sed diam nonumy eirmod tempor invidunt ut labore et dolore magna aliquyam erat, sed diam voluptua. At vero eos et accusam et justo duo dolores et ea rebum. Stet clita kasd gubergren, no sea takimata sanctus est Lorem ipsum dolor sit amet.

Lorem ipsum dolor sit amet, consetetur sadipscing elitr, sed diam nonumy eirmod tempor invidunt ut labore et dolore magna aliquyam erat, sed diam voluptua. At vero eos et accusam et justo duo dolores et ea rebum. Stet clita kasd gubergren, no sea takimata sanctus est Lorem ipsum dolor sit amet.

fechar

Política de Privacidade

fechar

Política de Uso de Dados

fechar

Notícias

Abrir Filtros

Aumento de reembolso de saúde dos deputados federais é aviltante

Aumento de reembolso de saúde dos deputados federais é aviltante
Foto: Divulgação/Câmara dos Deputados

Por Avelino Lombardi, presidente da Acib.

 

 

No auge da pandemia - isso sem mencionar a crise fiscal -, mais uma notícia estarrecedora na política brasileira: os deputados federais aprovaram, na semana passada, um aumento de 171% no valor de reembolso dos parlamentares em procedimentos médicos. O valor máximo de ressarcimento, portanto, passou de R$ 50 mil para até R$ 135 mil, que poderão ser devolvidos dos cofres do Legislativo, ou seja, do dinheiro do povo.

 

Enquanto presenciamos, dia após dia, milhares de pessoas morrendo por falta de UTI’s, municípios esperando por vacinas que demoram a chegar, morosidade em decisões importantes relacionadas à pandemia e, consequentemente, às vidas dos brasileiros, os deputados federais aumentam seus gastos às custas de todos nós.

 

É, no mínimo, inaceitável, é aviltante, um insulto a todos os brasileiros.  Especialmente àqueles que tem visto diariamente seus amigos e familiares padecendo com a falta de leitos, médicos e equipamentos de saúde. 

 

No texto assinado pelo presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), ele alega que o valor anterior estaria “defasado”. E essa “defasagem”, pensam os deputados federais, deve então ser “corrigida” com dinheiro público? Enquanto isso, o povo que continue esperando -  e morrendo - nas filas dos hospitais. 

 

Esperamos que algum bom senso ainda reste entre nossos representantes para que esta decisão seja revista. 

Compartilhe: