×
Utilize aspas para busca exata.

Política de Cookies

Lorem ipsum dolor sit amet, consetetur sadipscing elitr, sed diam nonumy eirmod tempor invidunt ut labore et dolore magna aliquyam erat, sed diam voluptua. At vero eos et accusam et justo duo dolores et ea rebum. Stet clita kasd gubergren, no sea takimata sanctus est Lorem ipsum dolor sit amet. Lorem ipsum dolor sit amet, consetetur sadipscing elitr, sed diam nonumy eirmod tempor invidunt ut labore et dolore magna aliquyam erat, sed diam voluptua. At vero eos et accusam et justo duo dolores et ea rebum. Stet clita kasd gubergren, no sea takimata sanctus est Lorem ipsum dolor sit amet.

Lorem ipsum dolor sit amet, consetetur sadipscing elitr, sed diam nonumy eirmod tempor invidunt ut labore et dolore magna aliquyam erat, sed diam voluptua. At vero eos et accusam et justo duo dolores et ea rebum. Stet clita kasd gubergren, no sea takimata sanctus est Lorem ipsum dolor sit amet.

fechar

Política de Privacidade

fechar

Política de Uso de Dados

fechar

Notícias

Abrir Filtros

Posicionamento da Facisc contra a derrubada do veto presidencial em relação ao fundo eleitoral

Posicionamento da Facisc contra a derrubada do veto presidencial em relação ao fundo eleitoral

A Federação das Associações Empresariais de Santa Catarina (Facisc), suas 149 associações empresariais filiadas, e mais de 35 mil empresas associadas, vem a público explicitar seu posicionamento contra a decisão do Congresso Nacional que, na sexta-feira (17), votou a favor da derrubada de veto da Presidência da República a um trecho da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) que trata de recursos destinados ao Fundo Eleitoral, aprovando a previsão de utilização de até R$5,7 bilhões em recursos públicos como novo valor do Fundo Eleitoral em 2022.

 

Por princípios éticos somos contra a utilização de recursos públicos para tudo o que não seja voltado para investimentos na melhoria dos serviços e equipamentos para a população, quer seja na área de infraestrutura, saúde, educação ou segurança. 

Entendemos que os partidos políticos devem se auto financiar e não se beneficiarem dos recursos públicos. Já nos insurgimos contra a verba partidária desde o início da sua tramitação e mais uma vez nos posicionamos e solicitamos aos políticos catarinense que votaram pela derrubada do veto que justifiquem as razões para tal decisão.

 

Em nome dos empresários que geram emprego e renda e de toda a sociedade catarinense, pedimos aos parlamentares que revertam a decisão. Que prevaleça o bom senso com a população, pois estes recursos poderiam ser direcionados para setores que carecem de maior necessidade neste momento, diante dos reflexos ainda vivenciados em decorrência da pandemia.

 

Sérgio Rodrigues Alves

Presidente da Facisc

Compartilhe: