×
Utilize aspas para busca exata.

Política de Cookies

Lorem ipsum dolor sit amet, consetetur sadipscing elitr, sed diam nonumy eirmod tempor invidunt ut labore et dolore magna aliquyam erat, sed diam voluptua. At vero eos et accusam et justo duo dolores et ea rebum. Stet clita kasd gubergren, no sea takimata sanctus est Lorem ipsum dolor sit amet. Lorem ipsum dolor sit amet, consetetur sadipscing elitr, sed diam nonumy eirmod tempor invidunt ut labore et dolore magna aliquyam erat, sed diam voluptua. At vero eos et accusam et justo duo dolores et ea rebum. Stet clita kasd gubergren, no sea takimata sanctus est Lorem ipsum dolor sit amet.

Lorem ipsum dolor sit amet, consetetur sadipscing elitr, sed diam nonumy eirmod tempor invidunt ut labore et dolore magna aliquyam erat, sed diam voluptua. At vero eos et accusam et justo duo dolores et ea rebum. Stet clita kasd gubergren, no sea takimata sanctus est Lorem ipsum dolor sit amet.

fechar

Política de Privacidade

fechar

Política de Uso de Dados

fechar

Notícias

Abrir Filtros

Vice-presidente regional da ACAERT apresenta na ACIB pesquisa sobre o rádio em SC

Vice-presidente regional da ACAERT apresenta na ACIB pesquisa sobre o rádio em SC

O rádio chegou ao Brasil há quase cem anos, mas ainda não está perto de se aposentar. Muito pelo contrário, os números mostram que a mídia continua em ascensão. Em Blumenau, há atualmente 13 emissoras e diante desse cenário, a diretoria da ACIB recebeu nesta segunda-feira (9/5/) o vice-presidente regional da ACAERT, Evelásio Vieira Neto. A ideia foi falar um pouco sobre esse meio de comunicação presente em muitas das casas dos catarinenses. 

De acordo com o levantamento feito no ano passado pela Associação Catarinense das Emissoras de Rádio e TV (ACAERT), 74% dos entrevistados ouvem rádio e desses, 58% o fazem pelo menos cinco vezes na semana. 94% escutam no dial (pelo rádio) e 14% pela internet. Confira mais resultados no final do texto.

“O rádio trabalha a voz que é algo próximo e primitivo e as redes sociais, por exemplo, não conseguem despertar o que a voz desperta. Não são mídias que se anulam e sim que se complementam. Rádio existe há cem anos e continua crescendo”, reflete Neto. “O rádio remete à credibilidade e é dele que ouvimos as informações em tempo real e com chancela”, completa o presidente da ACIB, Renato Medeiros.

Como aconteceu com o sinal de TV analógico, que foi desligado, as rádios AM também terão de migrar pra frequência FM até o fim de 2023. Em Blumenau, a previsão é de que todas as emissoras estejam em FM até fim do ano. Vale lembrar também que a cidade tem a quarta emissora de rádio mais antiga do país e a segunda ainda em operação, a Rádio Clube, que em março chegou aos 90 anos. Além disso, a ACIB é a única entidade do Estado com um núcleo composto apenas por emissoras de rádio, o que mostra a força do veículo na cidade. 

Confira dados da pesquisa da ACAERT
94% ouvem no dial e 14% na internet
58% dos ouvintes, ouvem pelo menos cinco vezes por semana
87% consideram o rádio importante para o seu dia a dia
27% ouvem podcast
49% streaming de música
74% ouvem rádio
89% lembram de ouvir algum comercial no rádio
40% afirmam ter comprado ou pesquisado algum produto em função de um anúncio que ouviu no rádio

Compartilhe: